top of page
  • Foto do escritorRedação Europa

Alfa Romeo 33 Stradale, o ícone que fascinou um americano

Alfa Romeo 33 Stradale, o ícone que fascinou um americano

O empreendedor texano Glynn Bloomquist, um dos 33 apaixonados proprietários do novo 33 Stradale, teve uma experiência imersiva no Museu da Alfa Romeo em Arese, onde finalizou a configuração do seu automóvel personalizado e reviveu a sua experiência na "Bottega Alfa Romeo" ao lado de figuras de referência do projeto.


O emocionante encontro com a equipa da Alfa Romeo permitiu ao magnata americano finalizar algumas das características exclusivas do seu automóvel, apresentado em Rosso Villa d'Este com uma faixa branca na frente e o número 14 nas laterais, em homenagem aos seus dois pilotos favoritos: Enzo Ferrari e Anthony Joseph "A.J." Foyt.


Como é próprio de um verdadeiro "Alfista", Glynn Bloomquist tenciona viver em pleno todas as emoções que só um Alfa Romeo pode transmitir, num circuito ou ao longo das estradas solarengas do estado do Texas.


"Nasci num hospital, numa base da força aérea, pelo que talvez seja daí que vem a minha paixão pela velocidade e pela máxima performance."

Foi assim que o texano Glynn Bloomquist se apresentou, há algumas semanas, à equipa da Alfa Romeo, para finalizar pessoalmente a configuração única do seu Alfa Romeo 33 Stradale. O encontro teve lugar no Museu da Alfa Romeo em Arese, local icónico onde estão guardados alguns dos mais belos automóveis do mundo, incluindo o fascinante 33 Stradale histórico que inspirou este novo automóvel personalizado.


Alfa Romeo 33 Stradale, o ícone que fascinou um americano

Após uma visita exclusiva ao museu, a equipa recebeu calorosamente o Glynn Bloomquist na Sala del Consiglio do Museu em Arese, onde o design do 33 Stradale foi aprovado em 1967 e que é agora a sede da "Bottega Alfa Romeo". Foi neste local simbólico que designers, engenheiros e historiadores da marca se reuniram e ouviram os 33 proprietários, criando em conjunto com os mesmos o que se tornou uma obra de arte única e um autêntico manifesto das capacidades da marca italiana - agora e no futuro - em termos de estilo e experiência de condução.


Produzido em apenas 33 unidades exclusivas, para 33 fãs da marca, o novo coupé de dois lugares combina herança e futuro e é produzido de acordo com um processo artesanal único, com os mais elevados padrões de qualidade e uma atenção obsessiva aos detalhes, exatamente da mesma forma seguida nas boutiques artesanais da Renaissance e nas oficinas dos anos 60, de reputados carroçadores italianos. Um deles foi a célebre Carrozzeria Touring Superleggera, que deixou a sua marca em alguns dos mais belos Alfa Romeo de todos os tempos e que agora desempenha um papel de liderança na produção do novo 33 Stradale.


Dentro das históricas e gloriosas paredes da "Bottega Alfa Romeo", o empresário norte-americano contou a sua história com total naturalidade e com grande envolvimento emocional, demonstrando sentir-se à vontade na "Tribo” Alfa Romeo e, mais ainda, no pequeno círculo de proprietários do novo 33 Stradale, verdadeiros embaixadores da marca italiana e dos seus valores nos quatro cantos do mundo.


Paixão pelas corridas americanas e descoberta dos desportos motorizados italianos

Tendo crescido com um pai apaixonado pelas corridas americanas e pelos muscle cars, Glynn Bloomquist apaixonou-se rapidamente pelo desporto automóvel local, uma paixão que o levou a mudar-se para Indianapolis para trabalhar, onde investiu em marketing para a sua empresa de fotografia na lendária Indianapolis 500, a maior prova de corridas de automóveis de open wheelers dos EUA. Glynn Bloomquist recordou-o:

"Passei 10 anos a viajar pelo mundo a patrocinar o IndyCar. Algumas das minhas melhores recordações dessa altura são do nosso primeiro piloto, Jimmy Vasser. Em 1992, como estreante, subiu ao pódio em Indianapolis depois de estabelecer o recorde de velocidade para um estreante na história da Indy 500: mais de 357 km/h."

Alfa Romeo 33 Stradale, o ícone que fascinou um americano

Com base nestas experiências nas corridas, que o atraíam cada vez mais, o empresário americano começou a concentrar-se no estrangeiro, para descobrir o património desportivo das marcas europeias, especialmente em Itália. As que mais o impressionaram foram a Alfa Romeo e a Ferrari, duas marcas únicas no mundo pelo seu legado desportivo, pelo design "Made in Italy" e pela tecnologia de ponta. Ao ler um livro sobre Enzo Ferrari, Glynn Bloomquist descobriu a ligação inquebrável entre o famoso empresário e a marca Alfa Romeo, uma relação de vinte anos em que Drake atuou como piloto de testes, piloto de corridas, colaborador comercial e, finalmente, diretor do lendário departamento de corridas da Alfa Romeo.


A partir desse momento, o seu interesse pelo desporto automóvel italiano transformou-se numa verdadeira paixão que resultou na compra de joias italianas. Uma recente adição à sua coleção é um magnífico Alfa Romeo Giulia Quadrifoglio, em edição 100º Aniversário, que teve o privilégio de conduzir na pista de F1 do Circuito das Américas, em Austin, como convidado da equipa Alfa Romeo, em 2023. Foi então que conheceu Cristiano Fiorio, responsável pelo projeto 33 Stradale, que lhe ofereceu uma oportunidade imperdível.

"Não demorei muito tempo a aceitar a ideia de me tornar um dos 33 clientes do novo automóvel personalizado da Alfa Romeo, desde que fosse vermelho e só vermelho", afirmou, com um sorriso. O próprio Cristiano Fiorio recorda: "Desde a primeira vez que nos encontrámos em Austin, tivemos uma relação especial com o Glynn. O envolvimento humano que ele trouxe para o projeto e a paixão com que ele e a equipa abordaram o processo de configuração são verdadeiramente únicos. Não menos único é o maravilhoso modelo que ele configurou apaixonadamente para a marca e para a história do desporto automóvel mundial.”
Alfa Romeo 33 Stradale, o ícone que fascinou um americano

Configuração inspirada no seu antecessor, com um toque contemporâneo

De acordo com o seu pedido, o novo 33 Stradale de Glynn Bloomquist ostenta uma pintura Rosso Villa d'Este, de várias camadas, embelezada com uma faixa branca horizontal na frente, um elemento de design bastante raro nos supercarros. Revisita, com um toque contemporâneo, a combinação de cores vermelha e branca do Tipo 33, referência no desporto automóvel mundial nos anos 60 e precursor do 33 Stradale de 1967. Da mesma forma, decidiu a posição dos lendários logótipos "Quadrifoglio" e "Autodelta", nas entradas de ar traseiras especiais e nas novas jantes de liga leve Progressive de 20", em preto com acabamento e inserções em fibra de carbono.


Com um olho no icónico 33 Stradale de 1967 exposto no Museu de Arese, para o interior, Glynn Bloomquist optou pela configuração Tributo, em dois tons de ardósia e biscuit com acabamentos em alumínio, acrescentando estofos em Alcantara ardósia para o painel de instrumentos e parte dos bancos, painéis das portas e túnel central, combinados com uma pele específica e muito fina de cor biscuit. O empreendedor texano também solicitou a inclusão do número "14" no exterior das portas e no interior, bordado nos apoios de cabeça, em homenagem a dois pilotos excecionais que o utilizaram nos seus automóveis de corrida: Enzo Ferrari, no seu Alfa Romeo de 1920; e Anthony Joseph "A.J." Foyt, no seu Foyt Coyote. A escolha do número "14" é, portanto, um tributo tanto à herança desportiva da Alfa Romeo como ao múltiplo campeão dos EUA, vencedor por quatro vezes das 500 Milhas de Indianapolis e de sete campeonatos USAC.


Em suma, a configuração do 33 Stradale de Glynn Bloomquist traduz-se num verdadeiro manual de desportivismo automóvel italiano e americano.

"Mal posso esperar para pôr as mãos no volante do meu 33 Stradale e ouvir o som do seu motor 3.0 litros ‘twin-turbo’ V6 com mais de 620 cv. Claro que não vai ficar fechado na garagem. No centro do Texas e nos arredores, onde vivo, há muitas ruas e circuitos fantásticos onde corro com todos os meus automóveis e o meu Alfa Romeo personalizado não será exceção," concluiu.
Alfa Romeo 33 Stradale, o ícone que fascinou um americano

As façanhas desportivas da Alfa Romeo em solo americano

Existe uma ligação inquebrável entre os fãs do desporto automóvel dos EUA e a Alfa Romeo, numa longa história repleta de feitos desportivos, modelos lendários e grandes pilotos. A marca fez a sua primeira aparição no estrangeiro com a histórica vitória de Tazio Nuvolari, em 1936, na Vanderbilt Cup – sendo a única marca europeia a vencer esta corrida - na pista de Roosevelt Field, em Nova Iorque, a bordo do GP Tipo C 12C.  Nas décadas de 1930 e 1940, muitos automóveis Alfa Romeo continuaram a correr no outro lado do Atlântico.


A ligação seria reforçada ainda mais após a 2ª Guerra Mundial, com a criação de um Giulietta Spider de Pinin Farina, de 1955, a pedido de Max Hoffman, famoso importador de automóveis desportivos europeus, destinado sobretudo aos gentlemen drivers americanos. O pequeno spider tornou-se, assim, um símbolo de um modo de vida diferente.


Durante mais de uma década, a partir de meados dos anos 60, os automóveis de Arese fizeram sentir fortemente a sua presença nos circuitos dos EUA. Por exemplo, as vitórias do Giulia TZ e do Giulia Sprint GTA, os 33 que viram a bandeira da Alfa Romeo ser hasteada nos mais altos mastros em circuitos como Sebring, Watkins Glen e Daytona, no hat-trick de 1968, que daria mesmo o seu nome à versão de 1968 do Tipo 33/2, ponto de partida para o 33 Stradale.


Naqueles anos, Horts Kweck, num GTA, tornou-se campeão dos EUA na classe Touring, enquanto Mario Andretti, campeão americano com raízes italianas, competia num 33 e na Fórmula 1 em 1981, reforçando uma tradição de pilotos americanos ao volante de automóveis Alfa Romeo, que remonta a 1924, quando Peter de Paolo correu no lendário GP Tipo P2.

コメント


300.250.png
Pottenza Global Consulting
bottom of page