top of page
  • Foto do escritorRedação Europa

Audi e-tron GT e a Ducati Panigale V4 R, o fascínio da tecnologia em quatro e duas rodas

Audi e-tron GT e a Ducati Panigale V4 R, o fascínio da tecnologia em quatro e duas rodas

Ambos os modelos são extremamente atrativos, e chamam a atenção de qualquer amante da velocidade, seja nas quatro ou nas duas rodas. O protótipo do e-tron GT e a Ducati Panigale V4 R incorporam, igualmente, um design elegante e desportivo, bem como uma elevada performance. Com as suas características únicas, o Gran Turismo elétrico da Audi e a moto desenhada principalmente para os circuitos, são o pináculo da tecnologia e da paixão.


Certamente, estes dois modelos emblemáticos não deixam nenhum adepto de velocidade indiferente. O que também se aplica aos dois homens que desempenharam um papel crucial no desenvolvimento da nova gama e-tron GT e da Ducati Panigale V4 R - Jaan Mattes Reiling, Project Manager da Audi em Neckarsulm, e Alessandro Valia, responsável máximos pelos testes dinâmicos na Ducati. Não é de surpreender que, após terem testado de forma exclusiva os modelos um do outro na Audi Sport GmbH, em Neuburg, ambos concordem com a performance e a agilidade dos veículos. Para a ocasião, a Audi trouxe o ainda protótipo daquele que será o renovado e otimizado e-tron GT quattro.


Alessandro Valia: Ambos os modelos têm, sem dúvida, uma elevada quantidade de potência e ambos satisfazem os pré-requisitos para entregar esta potência de forma segura, em estrada. A Ducati incorporou vários modos de condução nos seus modelos, permitindo aos condutores ajustar individualmente as características dinâmicas tanto para pista como para a estrada, o que proporciona aos condutores inúmeras opções para adaptar a potência da moto às suas capacidades de condução.


Jaan Mattes Reiling: O mesmo se aplica ao protótipo do Audi e-tron GT. Ao tornar a entrega de potência controlável, é fácil conduzir e desfrutar destes automóveis. Apesar da sua natureza desportiva, tanto a Panigale como o protótipo foram concebidos para uma utilização diária.

 

Valia: Quais as sensações ao conduzir a Panigale?

Reiling: Eu próprio sou um grande fã da Ducati e adoro conduzir a minha Ducati 996. A Panigale foi uma experiência completamente diferente. É fascinante a facilidade de manuseamento desta moto de alta performance e como rapidamente nos sentimos confortáveis a conduzi-la, graças à configuração eletrónica. Como foi estar no lugar do condutor do protótipo do e-tron GT?


Valia: Além do seu belíssimo design, fiquei impressionado com a dinâmica e a agilidade do automóvel e, claro, com as características de performance deste modelo desportivo totalmente elétrico. A aceleração e o comportamento em curva são simplesmente fantásticos, mesmo para mim, que estou habituado a acelerações rápidas. Além disso, tive a oportunidade de vislumbrar o interior do protótipo. À primeira vista, é possível ver a atenção aos pormenores. Portanto, há muitas semelhanças, mas, claro, também há diferenças.


Reiling: Tanto a Panigale como o protótipo do e-tron GT oferecem várias opções para personalizar as características de condução de acordo com as necessidades do condutor e do piloto, respetivamente – algo que certamente notou durante a condução e ao explorar os controlos interiores. O sistema de amortecimento variável foi melhorado, com novas possibilidades de ajuste para o condutor.


Audi e-tron GT e a Ducati Panigale V4 R, o fascínio da tecnologia em quatro e duas rodas

Valia: Penso que ambos os modelos estão a um nível igualmente elevado, especialmente em termos das tecnologias utilizadas e da performance que se obtém, por exemplo, quando se acelera. Ambas as marcas prestam muita atenção aos mais pequenos detalhes. A Panigale V4 R* serve de base para a nossa moto de competição no Superbike World Championship. Ambos os modelos permitem que quem esteja aos comandos encontre a configuração individual ideal. A diferença mais significativa é que, no caso da mota, o condutor tem uma influência muito maior sobre a dinâmica e a condução. No entanto, ambos os modelos cumprem os critérios para proporcionar uma experiência de condução extremamente agradável.


Reiling: Concordo nesse ponto. No entanto, quando se trata do protótipo do e-tron GT, a elevada performance inclui mais do que apenas o sistema de propulsão e a agilidade. Envolve todo o veículo, incluindo o design, a qualidade e o conforto durante as viagens curtas ou longas, cativando todos os que estão ao volante. Além disso, os sistemas de assistência ajudam as motos e os automóveis a interagir de forma mais segura no trânsito quotidiano.


Valia: Estamos também a explorar um novo conceito no que diz respeito à alta performance. A par da nossa ênfase na potência, peso e emoção proporcionada pelo motor, a Ducati integra uma variedade de sistemas de assistência. O nosso objetivo é permitir que os condutores atinjam a sua capacidade de condução ideal com tecnologias como o Cornering ABS, o Ducati Traction Control e o Ducati Wheelie Control. Mesmo que cometa um erro durante a condução, estes sistemas protegem-no. A segurança é a nossa principal prioridade em todos os nossos modelos. Por exemplo, a Multistrada4 oferece uma gama de sistemas opcionais de assistência ao condutor que elevam o motociclismo a um novo nível de segurança. Os exemplos incluem o Adaptive Cruise Control e o Blind Spot Assist. A aerodinâmica que transferimos do MotoGP para os nossos modelos de produção também contribui para a estabilidade da moto, especialmente a velocidades mais elevadas. Penso que este conjunto é uma mistura ideal entre adrenalina e segurança.


Reiling: Pessoalmente, conduzir uma moto é ainda mais emocionante porque a ligação à estrada e ao ambiente é mais direta do que conduzir um automóvel. Quando os sistemas de assistência adicionais aumentam a segurança do condutor sem diminuir a experiência emocional, essa é definitivamente a abordagem correta.


Valia: Apesar de me ter sentado numa mota pela primeira vez aos quatro anos de idade, gosto igualmente de conduzir automóveis. Num carro, posso travar muito mais tarde quando me aproximo de uma curva. Para mim, a coisa mais emocionante é a sobreviragem, que experimentei há algum tempo no Audi RS3. Embora também seja possível com uma mota, é preciso ir mais perto do limite do que com um carro. Para uma sobreviragem controlada, a Panigale V4 R* possui o Ducati Slide Control (DSC) com uma funcionalidade especial chamada função Spin on Demand, um controlo de tração dinâmico que permite uma direção assistida como o Drift Mode da Audi. Este exemplo ilustra a forma como nos esforçamos por tornar a condução em experiências agradáveis. Como é que abordam o desenvolvimento futuro?


Reiling: Sem dúvida. Por um lado, temos de cumprir os requisitos específicos de cada país, em constante evolução, e também estarmos constantemente atentos aos mercados. Mas ainda mais importante é o feedback que recebemos dos nossos clientes, da imprensa e, claro, dos concessionários. Com base nisso, decidimos onde precisamos de aperfeiçoar os nossos produtos para os tornar ainda melhores ou desenvolver um novo modelo. O protótipo da família e-tron GT e a Panigale V4 R* são os melhores exemplos disso.


Valia: Também nós estamos em constante diálogo com as nossas partes interessadas e clientes. Encomendamos inquéritos e estudos para obter um feedback aprofundado. Durante o desenvolvimento das motos, também convidamos jornalistas especializados para testes. Penso que, no nosso trabalho de desenvolvimento, não diferimos fundamentalmente.


Audi e-tron GT e a Ducati Panigale V4 R, o fascínio da tecnologia em quatro e duas rodas

Reiling: Sim, é comparável. No entanto, no domínio da mobilidade elétrica, enfrentamos desafios únicos. Temos de ultrapassar as preocupações que ainda existem sobre as desvantagens tecnológicas em comparação com os motores de combustão interna. Inclui questões como a ansiedade relativamente à autonomia e ao carregamento, especialmente na estrada. Com o melhor desempenho de carregamento dos nossos modelos elétricos e ofertas especiais, como os Audi charging hubs, estamos no bom caminho para ultrapassar os preconceitos.


Valia: Nós, na Ducati, também estamos a abraçar novas iniciativas. Bons exemplos são os nossos modelos todo-o-terreno e a nossa entrada no motocross. Somos também pioneiros no que diz respeito à aerodinâmica no design de motos. Naturalmente, a mobilidade elétrica é também um foco para nós. A Ducati é o único fabricante na competição elétrica MotoE World Championship. Beneficiámos da vossa experiência no desporto motorizado eletrificado. Penso que a Ducati e a Audi são pioneiras em termos de performance controlável, exclusividade e qualidade. Gostei muito da experiência com o protótipo do Audi e-tron GT. É impressionante o que este veículo elétrico pode fazer. E espero que também se lembrem da Ducati Panigale V4 R.


Reiling: E, ao fim de semana, gosto sempre de trocar o carro pela minha Ducati 996.

Comments


300.250.png
Pottenza Global Consulting
bottom of page