top of page
  • Foto do escritorRedação Europa

No mercado Europeu, veículos híbridos são o destaque nos primeiros três meses do ano


No mercado Europeu, veículos híbridos são o destaque nos primeiros três meses do ano

O mercado de automóveis novos na Europa enfrentou dificuldades nos três primeiros meses do ano. As razões, de acordo com a Jato Dynamics, são, a inflação persistentemente elevada e taxas de juro, o que levou a um abrandamento da procura. Os 28 mercados europeus, revelaram quedas homólogas em 23 países, com apenas 16 mercados experimentando algum crescimento no primeiro trimestre de 2024.


Em março, os registros totalizaram 1.377.541 unidades – uma queda de 2,7% em relação ao mesmo mês do ano passado. No entanto, os registros no primeiro trimestre de 2024 foram positivos 4,8% em relação ao primeiro trimestre de 2023, com 3.380.048 unidades cadastradas no total nos três primeiros meses do ano.


“Embora os números de registos do primeiro trimestre de 2024 pintarem um quadro razoavelmente positivo, os dados de Março são preocupantes”, observa Felipe Munoz, Analista Global da Jato Dynamics. “O preço médio de um carro novo ainda é proibitivamente alto, e os consumidores estão compreensivelmente hesitantes em fazer a mudança de veículos movidos a gasolina e diesel para modelos elétricos. ”

“Em vez de abraçar a mudança, a incerteza sobre regulamentação e falta de clareza sobre os incentivos disponíveis para os VE em muitos mercados europeus estão a adiar os potenciais compradores. Preocupações com o ciclo de vida das baterias em esses veículos é outra fonte de preocupação entre os consumidores.”


Híbridos impulsionam a demanda

A queda na confiança do consumidor em veículos eléctricos (VE) provocou um aumento na procura de veículos eléctricos híbridos (HEVs), com 382,7 mil unidades registradas entre janeiro e março deste ano – o maior número de registros trimestrais para a categoria desde 2021. Os volumes de HEVs aumentaram 18% em relação ao trimestre correspondente em 2023, em comparação com aumentos anuais de 3,8% e 4,8% para EVs e o mercado geral de automóveis novos, respectivamente. Este crescimento é ainda mais forte quando em comparação com o mesmo período de 2022 (+50%). Por outro lado, o mercado de EV e o mercado geral cresceram 39% e 23% respectivamente.


“Os consumidores estão familiarizados com os veículos híbridos; eles estão no mercado há mais de duas décadas. Para muitos motoristas, são atualmente a melhor opção: mais baratos que os EV no ponto de compra e não dependem de infraestruturas de carregamento públicas que simplesmente não existe em muitos mercados.”


Os dados da Jato Dynamics para quatro dos maiores mercados europeus mostram que o preço médio de retalho de um HEV em Fevereiro de 2024 foi 11% e 21% inferior ao da gasolina e movidos a diesel, respectivamente. Por outro lado, os carros híbridos plug-in (PHEVs) foram os mais caros, comercializados a um preço médio nas lojas de 74.800€. “Os carros híbridos têm uma vantagem sobre os EVs porque são autocarregáveis, embora sejam 27% mais baratos que um modelo elétrico em média. Por que você pagaria mais por um veículo que é mais limitado em termos de autonomia e carregamento? - Muñoz pergunta.


OEMs chineses perdem força

Os OEM ( Original Equipment Manufacturer) da China perderam quota de mercado em Março – uma tendência significativa, dada a sua influência crescente na Europa nos últimos anos. Durante o mês, os registos de automóveis fabricados por marcas chinesas totalizaram 33.000 unidades (incluindo MG), um aumento de apenas 0,7% sobre março de 2023. Os modelos elétricos representaram 36% desse total. Em março de 2024, carros elétricos produzidos por chineses e suas marcas representaram 6,1% do total de registros de BEV.


De acordo com Munoz, a queda nos registos globais de automóveis em Março traduziu-se em menos vendas tanto para empresas tradicionais como para as OEMs chineses.

“Os OEM da China não ficaram imunes ao agravamento da situação no mercado de automóveis novos da Europa. Além disto, podem também estar a sentir o impacto do crescente escrutínio negativo provocado pela Comissão Europeia com investigação sobre as importações chinesas de EV.”

A MG foi responsável por mais da metade (61%) dos registros de VE chineses em março, seguido por BYD (24%) e Great Wall (5%).


As matrículas de modelos MG em março diminuíram 38% ano a ano, enquanto as matrículas de veículos BYD aumentaram significativamente de 427 unidades para 2.892 unidades no mesmo período.

Comments


300.250.png
Pottenza Global Consulting
bottom of page